Bem vindo ao site da SPEA - sociedade portuguesa para o estudo de aves

Opções do site

Subscrever Newsletter

Outras opções do site

Pesquisar no site

Data actual

Principais opções do site

D
S
T
Q
Q
S
S
2
3
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
29
30
31
 
 
 
 
A Nossa Missão
A SPEA é uma ONG de ambiente sem fins lucrativos, que tem por missão trabalhar para o estudo e a conservação das aves e seus habitats, promovendo um desenvolvimento que garanta a viabilidade do património natural para usufruto das gerações futuras.
Home  > Aves Marinhas > Roque de Castro
imprimir

Roque de Castro
Roquinho - Oceanodroma castro (Harcourt 1851)

Reprodução
O Roque-de-castro apresenta duas populações distintas na Macaronésia. Uma inicia a sua reprodução em Setembro/Outubro (população de período frio), para abandonar os ninhos em Fevereiro/Março; e uma outra inicia a sua reprodução em Março/Abril, para acabar em Julho/Agosto (população de período quente).

Distribuição e tamanho populacional
Esta é uma espécie migradora que tem uma distribuição mundial ampla, incluindo o Atlântico e o Oceano Pacifico. Ocorre em todos os arquipélagos da macaronésia e em todas as Ilhas do arquipélago da Madeira e dos Açores.

Identificação

É uma ave marinha de muito pequeno porte, escura e com uma mancha branca na parte posterior do dorso.

Habitat
O Roque-de-castro nidifica em pequenas ilhas e ilhéus rochosos. O seu ninho, cujas pequenas dimensões o tornam de muito difícil acesso, é feito em gretas, fissuras das rochas e amontoados de pedras.

Conservação

Ameaças
Esta espécie não deve ser muito afectada pela predação humana, uma vez que os seus ninhos, não só são difíceis de localizar, como é também difícil chegar até à ave ou ao seu ovo. Tal como para as outras aves marinhas, as principais ameaças, estão relacionadas com a presença de mamíferos introduzidos nas proximidades dos seus locais de nidificação, sejam ratos, gatos ou outros.

Estado de conservação e instrumentos legais de protecção

O Roque-de-castro apresenta um estatuto de conservação vulnerável e dependente de gestão. Esta ave está incluída no Anexo I da Directiva de Aves e no Anexo II da Convenção de Berna. Uma significativa área do seu habitat está incluído no Anexo I da Directiva Habitats.

Estado actual do conhecimento em Portugal

Existe alguma informação sobre a sua época de reprodução e biologia reprodutora em Portugal, bem como sobre as diferenças entre as populações de período-frio e de período-quente. Foram ainda realizados alguns trabalhos sobre a localização dos seus locais de nidificação na Madeira e nos Açores. Não existem trabalhos sobre a sua distribuição no mar durante todo o ano.

Comentários
Esta ave apresenta duas épocas de nidificação distintas. Na Primavera nidifica a chamada população de período quente, e no Outono outras aves ocupam os mesmos locais de nidificação, sendo estas pertencentes à população de período-frio. Estão a ser efectuados estudos no sentido de determinar os factores que levam a esta situação, embora existam fortes indicações de que estamos perante a existência de duas subespécies.




voltar



Política de privacidade, adicione aos favoritos, sugira este site © 2010 spea - Todos os direitos reservados.
Seara.com